10 vending machines que ativam causas e marcas

Quem disse que as famosas “vending machines” foram criadas apenas para vender produtos? Apesar do nome, elas também são utilizadas de maneira criativa pelas marcas e agências para entregar interatividade, experiência e consequentemente envolver o público de alguma maneira. Impossível não lembrar, por exemplo, os inúmeros cases da Coca-Cola nesse sentido. A marca é praticamente uma especialista no artificio de promover conceitos, ideias e mensagens através de suas “máquinas da felicidade”. Mas a fabricante de refrigerantes não é a única que consegue acertar a mão em iniciativas do gênero. Confira abaixo outros trabalhos que merecem destaque:

Garrafa vira tíquete para show

Você já pensou numa máquina que possa fazer o caminho de volta e recolher embalagens vazias? Essa foi a ideia da Astra, cerveja alemã que resolveu amenizar o problema da sujeira no “Distrito da Luz Vermelha”, em St. Pauli, Hamburgo. Para isso, a marca colocou uma máquina em uma das ruas do bairro e transformou a garrafa em um tíquete para um show particular. Ao inserir a embalagem, uma pequena janela era aberta e a pessoa poderia ver perfomances ao vivo, que iam desde cantores até dançarinas.

“Zuêra Machine”

A Wieden+Kennedy resolveu criar uma máquina diferente para a marca Bis. A “Zuêra Machine” pedia para que as pessoas provassem sua amizade, dançassem com um colar havaiano, entre outras coisas. Quem deu voz a tal máquina foi o comediante Léo Lins. A descontração da iniciativa faz parte da estratégia da marca, que nos últimos tempos se apropriou do conceito de “zuêra” tão presente na linguagem web, sobretudo para os jovens.

Máquina da paz

A Coca-Cola desenvolveu a ação “Fair Play Machines”, com máquinas instaladas nos arredores do estádio San Siro e criadas pela McCann de Milão. Elas continham um botão e um visor. Na tela, os torcedores do Milan conseguiam ver e ouvir os torcedores rivais da Inter passando do outro lado do estádio.  Era impossível pegar uma Coca-Cola para si, apenas para quem estava do outro lado do estádio. O resultado, segundo a marca, é que as duas máquinas se esvaziaram em menos de uma hora.

Grande amizade

A Coca-Cola resolveu criar uma vending machine gigante com uma promoção especial para o Dia do Amigo: duas latinhas pelo preço de uma. Mas como pegar o refrigerante? Dê uma olhada.

Vai uma água suja?

Com um budget mínimo, a agência Casanova Pendrill criou uma vending machine de água suja para exibir a importância da água potável no mundo. Quem comprasse uma garrafa, faria uma doação automática para a Unicef.

Minha parte eu quero em likes

A Pepsi e a agência TBWA Bélgica se uniram para criar uma vending machine que não aceita dinheiro, só likes de Facebook. O primeiro teste foi em um concerto na Antuérpia.

Uma estratégia ousada

Como uma marca de produtos para higiene bucal pode se inserir nesse universo de vending machines? A Colgate, em parceria com a agência Y&R Puerto Rico, escolheu o caminho da ousadia. Os cremes dentais da empresa foram colocados dentro de uma máquina recheada de doces. Cada vez que uma guloseima era comprada, uma amostra grátis do creme dental acompanhava o produto com a mensagem no visor: “não se esqueça da escovação”.

Máquina light

Se a Diet Coke é um produto com menos calorias e, consequentemente, capaz de contribuir com hábitos mais saudáveis e teoricamente pessoas mais magras, por que as máquinas não podem acompanhar o mesmo conceito? Conheça abaixo a vending machine mais fina do mundo, instalada pela Ogilvy em Paris, na França.

Vending machine de ovos frescos

Contra os maus tratos, e para promover o consumo de ovos apenas de galinhas criadas ao ar livre na Alemanha, a ONG Noah criou uma espécie de vending machine com galinhas vivas. A ideia era impactar a primeira vista. Quem chegava mais perto do aparelho, entretanto, entendi o conceito da campanha. Todas as galinhas eram de uma fazenda que produz ovos free range e voltaram para o seu habitat logo após a iniciativa.. A criação é da Publicis de Frankfurt.

Cafés do bem

A Nescafé criou uma ativação que alia tecnologia e gentileza pelas ruas de Berlim. A marca, com a ajuda da OgilvyOne Frankfurt, instalou uma espécie de máquina de café no mesmo espaço do botão de pedestres para os semáforos. O aparelho tinha uma tela onde era possível ver a pessoa que estava do outro lado da rua, também tentando atravessar na faixa. A interação entre eles gerava um café quentinho numa cinzenta manhã europeia e arrancava muitos sorrisos de ambos os lados.

Informações: http://www.adnews.com.br/